NOTA DE REPÚDIO – PERTURBAÇÃO DA TRANQUILIDADE 

A Rede Dandaras notifica repúdio á atitude misógina e violência institucional e estrutural para com as 11 mulheres vítimas na universidade.
O comabate precisa ser através de estratégias de enfrentamento, conscientização e principalmente denúncia!
PERTURBAÇÃO DA TRANQUILIDADE essa foi a tipificação que um delegado homem, hétero e misógino deu para as denuncias de assédio que 10 mulheres fizeram em Florianópolis -Santa Catarina. Segundo ele não existe hierarquia entre aluno e professor, mas lembrando que nós (a maioria) éramos bolsistas do núcleo é recebíamos pelos trabalhos prestados a universidade e ele era o coordenador do núcleo que as meninas trabalhavam/estagiavam, dessa forma fica explícito que existia uma hierarquia, não só de professor e alunas.
Em uma sociedade que nos mulheres somos sempre colocadas uma contra as outras, e criam a ideia de que não devemos confiarmos umas nas outras, é assustador quando 10 mulheres se unem para denunciar um único homem. São 11 mulheres ( 1 foi denuncia de estupro que foi arquivado pela promotoria, os casos estão correndo separados) que fizeram o B.O por que teve muitas prescreveram, algumas não tiveram coragem e outras preferem não lembra e muito mesmo reviver em seu depoimento o que passou, pois sofreram vários tipos de abusos (“carinho” nas costas por baixo da blusa, mãos nos seios, beijo no pescoço, mão nas bundas, mão dentro da calça para segurar a calcinha) entre outros absurdos. E por muito tempo se calaram por medo, sim medo, medo de um homem influente que já havia se safado de outros casos de assédio dentro da universidade por dizer que era racismo (das outra vezes as denunciantes eram meninas brancas). Dessa forma foi se construindo o medo de denunciar um homem que todo mundo sabe que por anos é um assediador em série, mas que tem o poder de reverter a situação.
  Sabemos a sociedade machista em que vivemos, que os nossos corpos não nos pertence, a palavra da mulher não vale nada, ainda mais sendo mulheres em sua grande maioria negras, vivemos a margem, estamos no limbo social e a nossa palavra é desqualificada, se pararmos para refletir não temos nem vozes perante a sociedade. Os nossos relatos de abuso (assédio) foram totalmente desvalorizados por homens que tem a mania de acobertar homens, homens esses que tem o poder de decidir se o que passamos, é assédio.
São relatos de 10 mulheres que saíram de suas casas (algumas faltaram trabalho, aula etc..) para fazerem o B.O contra um homem, e o relato desse único homem faz com que o relato (e provas com foto do pênis) de 10 mulheres seja insuficiente para que ele seja julgado por assédio. Então da para ver que além de desqualificarem a nossa fala, os homens que nós ouviram, viram fotos da sua genitálias, conversas em WhatsApp e leram os nossos depoimentos, não tiveram um pouco de empatia com cada mulher que foi lá, reviver o que por dias, meses ou anos estavam querendo esquecer.
Agora entendo plenamente por que o feminicidio aumenta a cada dia, pois quando as mulheres vão  depor elas se deparam com homens (na delegacia da MULHER) sem preparo algum para tomar as medidas cabíveis para a segurança dessas  mulheres, por isso que muitas nem vão registrar B.O por que sabem que quando chega na justiça os homens sempre saem impunes, pois a justiça dos homens nunca está ao lado das mulheres principalmente das mulheres NEGRAS.
 Queremos dar visibilidade nacional ao caso, pois esse é  o maior do Brasil, nunca 11 mulheres fizeram B.O contra um mesmo professor universitário, e na sindicância que a universidade abriu contra o professor são mais de 25 denuncias contra ele. Nós mulheres (em especial as NEGRAS) pedimos socorro e a ajuda de vocês que estão em uma posição social, de visibilidade e de luta mais alto que nós.
#mexeucomumamexeucomtodas
#juntosomosmaisfortes
 
Caso precise podemos enviar o dossiê com todos os depoimentos das vítimas.
Links das matérias para entender melhor o caso:
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s